Governo de Goiás anuncia força-tarefa para investigar incêndios no Sudoeste do Estado

Oito pessoas já foram indiciadas em 2019 pela Polícia Civil por incêndios criminosos. Corpo de Bombeiros já atuou em 8,4 mil ocorrências

O governador Ronaldo Caiado e o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, anunciaram nesta sexta-feira (20/09), uma força-tarefa para investigar e combater incêndios na região Sudoeste do Estado. O anúncio foi feito durante apresentação de ações de contenção de queimadas e perícias já realizadas pelas forças policiais em 2019.

Segundo o titular da SSP, ocorrências registradas em outras regiões do Estado já estão sendo investigadas. Ele também revelou que há claros indícios de que as ocorrências são frutos de atos criminosos. “Tem crime, sim. Tem gente colocando fogo intencionalmente. Vamos apurar todas as ocorrências com firmeza e chegar aos culpados”, afirmou.

De acordo com o titular da SSP, somente no último final de semana, foram registrados mais de 200 focos de incêndios no Estado. “O fogo ameaça cidades, empresas e trabalhadores. Todas as nossas forças policiais estão empenhadas para chegar aos culpados e, principalmente, parar com essa atividade”, destacou.

O governador Ronaldo Caiado determinou que as forças policiais atuem com o máximo de empenho contra os incêndios. “A pessoa que se propõe a colocar fogo numa mata ou numa pastagem num momento em que estamos há 120 dias sem chuva tem um único objetivo: praticar um crime que tem várias consequências”, assegurou o governador, que, questionado sobre investimentos do Poder Público na ação, reafirmou que o Governo de Goiás tem trabalhado para adequar o orçamento em prol da situação. “Este é o grande diferencial da nossa gestão: temos investido os recursos públicos com responsabilidade naquilo que é melhor para o cidadão goiano”, arrematou.

Investigações
Oito pessoas já foram indiciadas em 2019 por causarem incêndios florestais, segundo o delegado Luziano Carvalho, titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema). Segundo ele, diversos inquéritos com autorias definidas estão sendo remetidos ao Poder Judiciário. “O foco da Polícia Civil é fortalecer as ações de prevenção e conscientização. Mas, diante da situação, percebemos a necessidade de ampliar o trabalho de repressão ao crime contra o meio ambiente. Defender os recursos naturais é responsabilidade de todos nós”, disse.

Em março deste ano, a Dema concluiu o inquérito sobre o incêndio ocorrido no Parque Altamiro de Moura Pacheco, que atingiu três propriedades da Unidade de Conservação, totalizando 3,75 hectares. Duas pessoas foram indiciadas por crimes que envolvem dano em unidades de conservação, incêndios em matas ou florestas, além de construção de obras ou serviços potencialmente poluidores sem licença dos órgãos de ambientais.

Outro inquérito apurou o incêndio criminoso em propriedades rurais de Goianápolis, em 2018. Três pessoas foram indiciadas. Por de um fazendeiro, o funcionário colocou fogo em área determinada. O fogo acabou se espalhando para outras quatro propriedades rurais próximas. Pomares e pastos acabaram queimados e animais silvestres morreram.

Desde o início deste ano, o Corpo de Bombeiros Militar realizou diversas ações preventivas em todo o Estado. Entre elas, estão palestras em escolas, parcerias com sindicatos rurais, treinamento de brigadas para atuação em áreas rurais, distribuição de cartilhas educativas e visitas em propriedades rurais. Em junho, foi lançada a Operação Cerrado Vivo, que tem como principal objetivo combater incêndios em vegetação. A corporação já atuou, somente neste ano, em 8,4 mil ocorrências.

Comunicação Setorial
Secretaria de Segurança Pública
(62) 3201-1027

Compartilhar: