SSAP apresenta responsáveis pela morte de dona de casa na Vila Mutirão

Preso assassino e apreendidos menores acusados de matar senhora na Vila Mutir_o. Cr_dito Wildes Barbosa (1)

A Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSAP) apresentou, na tarde desta terça-feira (15/3), os responsáveis pela morte da dona de casa Lailma da Silva Vieira Amaral, de 58 anos, atingida por uma bala perdida próximo a um ponto de ônibus na Vila Mutirão, na noite de sexta-feira (11). Os autores são dois menores de idade e Rebert Aderbal Silva, de 28 anos, que será entregue à Delegacia de Homicídios da Polícia Civil pelo Grupo de Radiopatrulha Aérea (GRAER) que efetuou a prisão dos três suspeitos no Jardim Curitiba IV onde moram. Com eles, os policiais encontraram uma das armas utilizadas no crime, revólver calibre 38, e aproximadamente um quilo de crack.

De acordo com o coronel Wellington Urzeda, comandante de Missões Especiais da Polícia Militar –  que, ao lado do delegado de Polícia Civil Ricardo Chueire, superintendente de Polícia Judiciária, apresentou o suspeito à imprensa em coletiva na sede da SSAP – os presos são de alta periculosidade, todos com passagens pela polícia e que ofereciam riscos à população. O crime, conforme destacou o comandante, foi provocado por disputa por território entre gangues para o tráfico de drogas na região Noroeste. Segundo ele, desde a noite dos disparos, as forças policiais receberam determinação do vice-governador e secretário de Segurança Pública, José Eliton, para que intensificassem as investigações visando dar uma resposta o mais rápido possível à sociedade.

Os familiares de Railma Vieira estiveram na sede da Secretaria, durante a coletiva, ainda abalados com o crime, mas demonstrando certa tranquilidade diante da prisão dos autores. A filha de Railma disse que estava satisfeita com o trabalho realizado pela polícia goiana. “Foi um trabalho excelente, agiram rápido. Agora esperamos que eles paguem pelo que fizeram com minha mãe, uma mulher que era o esteio da nossa família”, afirmou. Acompanhada do pai de 77 anos, que presenciou o crime, de uma das filhas e de outros familiares, ela confirmou que o tráfico de drogas na região torna insegura a vida de todos os moradores.

Nestes três dias, a Polícia Militar recebeu várias denúncias, a maioria infundada. No entanto, uma delas os levou, na tarde desta terça-feira, à prisão do primeiro suspeito. Imediatamente após, os policiais do 13º Batalhão da PM do Jardim Curitiba e do GRAER conseguiram prender os outros dois. Segundo coronel Urzeda, eles se encontram em situação de flagrante delito e serão apresentados às delegacias específicas para a continuidade das investigações e indiciamento dos autores que deverão responder por tráfico de drogas, porte ilegal de armas e homicídio.

Urzeda explicou que, ao serem interrogados, os presos confessaram o crime e disseram que naquela noite utilizaram o chevrolet Monza azul para acertar contas com Ramon. Usaram duas armas, o revólver 38 e uma pistola .40 que ainda não foi localizada. Quem dirigia o carro era o maior Rebert que usou a pistola, enquanto o menor conhecido como Tatu atirava com o 38. Outro menor estava no carro com eles. O carro, segundo explicou o comandante, Rebert conseguiu por empréstimo de um amigo.

Fotos: Wildes Barbosa

Comunicação Setorial
Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária
(62) 3201-1004, 3201-1055

 

Compartilhar: