Procarga Goiás é apresentado como iniciativa de sucesso no 6º Pacto Integrador, em Rondônia

Balestreri Porto Velho3

Programa goiano de combate a roubos de cargas auxiliou na elucidação de 60% dos casos investigados. Secretário Ricardo Balestreri foi moderador do painel sobre estratégias de combate às facções criminosas. Evento, que se encerra nesta quinta-feira (31/08), conta com representantes de 22 estados brasileiros

O segundo dia do Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual, realizado em Porto Velho-RO, foi marcado por discussões e trocas de experiências, e o entendimento unânime de que se deve urgentemente integrar as forças de segurança dos estados participantes do pacto e  também de se criar uma base de dados única para ser utilizada de forma compartilhada pelos atores da segurança nacional. Na plateia estavam secretários estaduais de Segurança Pública, policiais militares, policiais civis, bombeiros, agentes penitenciários e técnicos das secretarias de segurança pública de 22 estados. O evento se encerra na quinta-feira (31/08).

O secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária e presidente do Pacto Integrador, Ricardo Balestreri, acompanhou no decorrer desta quarta-feira (30/08), eventos como painéis, workshops e palestras. “As palavras de ordem aqui hoje foram integração de sistemas e compartilhamento de informações”, ressaltou. Ele foi o moderador do painel sobre estratégias de combate às facções criminosas. O chefe do planejamento operacional da Polícia Militar de Goiás, tenente-coronel Karison Ferreira Sobrinho, juntamente com o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Edval Novaes e o chefe do Centro Integrado de Segurança Pública de São Paulo, Renato Topam, foram os debatedores do tema.

Para o titular da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas de Goiás, Alexandre Bruno de Barros, que  apresentou o programa ProCarga Goiás como caso de sucesso, o projeto é um exemplo que pode ser seguido pelos demais estados tendo em vista sua grande capacidade de resolutividade nos casos investigados. Segundo o delegado, o programa foi importante na elucidação de 60% das investigações sobre roubo de cargas em Goiás.

Inteligência compartilhada e alternativas para a crise carcerária

O painel sobre inteligência compartilhada e tecnologia foi moderado pelo coordenador geral de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça, Romano Costa. Ele enfatizou sobre a necessidade de se desenvolver uma base nacional de inteligência em segurança pública para melhorar o fluxo de dados e auxiliar o profissional que está na ponta. “Temos que ter a ferramenta para alcançar e processar os dados e, assim, difundi-los. É preciso trabalhar as informações e elaborar pontes entre as bases de dados para acelerar o processamento e garantir rapidez e qualidade destas informações”, disse.

Sobre as alternativas para a crise carcerária, o painel foi mediado pelo subsecretário de Integração da Secretaria de Segurança Pública de Minas Gerais, Marcelo Vladimir Corrêa, e apresentado pelo secretário de Justiça de Rondônia, Marcos Rocha, e pelo subsecretário do Sistema Penitenciário do Distrito Federal, Osmar Mendonça de Souza. Entre as tratativas, a necessidade urgente de melhorar as políticas públicas federais para fomentar a participação dos empresários na empregabilidade de mão de obra carcerária. Além disso, aumentar a oferta de cursos, fortalecer o vínculo familiar do preso, trabalhar a remição de pena e focar na escolarização do indivíduo privado de liberdade.

Comitês Integrados

Nesta quarta, também foram apresentados aos participantes o funcionamento e as diretrizes dos comitês estratégicos do Pacto Integrador. Os grupos estão divididos nas seguintes áreas: Operações Integradas; Prevenção à Criminalidade; Análise Criminal; Administração Penitenciária Integrada e Inteligência Integrada. Os participantes dos comitês também se reuniram ao longo do evento para alinhar ações conjuntas e estratégicas nos seus campos de atuação.

Os comitês são responsáveis por definir a política de segurança pública interestadual entre os pactuantes; gerar diretrizes de gestões táticas e operacionais; definir os indicadores de redução para tratamento nas ações integradas; definir os indicadores de aumento para otimizar as ações integradas; realizar gestões para implantação de um sistema nacional de segurança pública; articular as alterações legislativas na esfera nacional para garantir bons resultados no sistema de segurança pública; induzir o processo de integração nas forças de segurança interestaduais e intraestaduais e induzir a construção de banco de dados unificados considerando os indicadores a serem tratados.

Consesp

Concomitante ao Pacto Integrado de Segurança Pública Interestadual, Porto Velho também recebeu na manhã desta quarta-feira (30/08), a reunião do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp). O encontro foi realizado no Palácio Rio Madeira e contou com a presença de representantes de Rondônia, Alagoas, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. O Consesp é um órgão colegiado com funções planejadoras, executoras, consultivas, deliberativas e representativas. Tem por finalidade básica reunir os dirigentes máximos das secretarias estaduais de Segurança Pública para a troca de informações, definições de atuação e avaliação das ações de segurança pública em todas as esferas governamentais.

FOTOS: MÁRCIA MARTINS

 

Compartilhar: