Preso suspeito de estuprar criança em Aparecida de Goiânia

ACUSADO DE ESTUPRO - APARECIDA DE GOIÂNIA (2)

A delegada Caroline Borges Braga, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Aparecida de Goiânia, apresentou à imprensa, nesta terça-feira (8/3), o suspeito de ter estuprado a menina L. V. A. S., de 9 anos de idade, na quinta-feira (3/03) passada, quando a criança voltava da escola.

Thiago Pereira de Oliveira, 30 anos, foi preso pelos agentes da DPCA na tarde desta segunda-feira, ao entrar em sua casa na Avenida Ipiranga, quadra 14, lote 07, no Jardim Nova Olinda, local do crime. Casado com uma jovem de 16 anos de idade, foi autuado em flagrante e indiciado em crime de estupro de vulnerável, conforme o artigo 217 A, do Código Penal, podendo pegar de 8 a 15 anos de prisão.

Ele foi encaminhado ao Centro de Prisão Provisória, onde aguardará julgamento. De acordo com a delegada Caroline Braga, mesmo tendo passado quatro dias, o flagrante foi feito em razão da perseguição contínua deflagrada ainda na quinta-feira, mas, caso o juiz entenda diferente, foi solicitada a conversão em prisão preventiva.

De acordo ainda com a delegada, a apresentação do suspeito à sociedade visa evitar novos crimes e, também, caso ele tenha feito outras vítimas, que elas possam reconhecê-lo.

Premeditado
A titular da DPCA explicou que os agentes chegaram ao suspeito a partir das informações fornecidas pela vítima e também pela mãe dela, que no dia anterior e também na manhã do dia do crime viu que um rapaz tinha parado em frente a sua casa no Setor Rosa dos Ventos. Ele estava num Gol branco, modelo antigo, e pediu falsa informação sobre alguém na vizinhança e que, antes de sair, perguntou qual era o nome dela. No momento, a mãe da vítima estava com as filhas menores de idade na porta de casa.

Thiago Pereira de Oliveira, que está desempregado há um mês, aproveitou quando a criança L. V. A. S., de 9 anos de idade, voltava da escola no Jardim Rosas do Sul, uniformizada, por volta de 17h, quando disse a ela para entrar no carro, pois, sua mãe Luciana tinha pedido para ele levá-la, se passando por alguém que gozava da confiança da família, motivo que a fez entrar no carro do estranho. Em vez de seguir para a casa da criança, Thiago foi para sua própria residência, onde parou dizendo que precisava pegar um documento. Mandou que ela descesse do carro e entrasse na casa, levando-a até um dos quartos dos fundos, onde havia um colchão no chão. Ali ele ameaçou a estudante com uma faca de cozinha. E abusou sexualmente da menina.

Após o crime, Thiago Pereira ainda levou a garota até as proximidades de onde ela mora. Ao chegar em sua casa, a estudante estava em estado de choque e imediatamente a mãe percebeu que algo estava errado. Procuraram a Polícia Militar, que as encaminharam à Polícia Civil. Segundo a delegada Caroline Braga, toda a equipe da DPCA trabalhou nas investigações que culminaram na prisão do suspeito. A menina foi encaminhada ao IML para os exames de corpo de delito e para o Materno Infantil, onde foi medicada. Os exames comprovaram o abuso. A criança violentada está sendo acompanhada por psicólogos da DPCA e também do Conselho Tutelar da região.

Segundo a titular da DPCA, a vítima forneceu com muitos detalhes as características da casa, do carro, do suspeito. As informações fornecidas pela mãe também ajudaram os agentes a localizarem a casa e o carro. E nesta segunda-feira, quando levaram a menina ao suposto local do crime, os policiais puderam confirmar as informações que ela havia dado. Os policiais encontraram no quarto dos fundos o colchão ainda no chão, com lençol sujo de sangue e a faca com cabo de madeira ao lado do colchão.

“Não tivemos dúvida em fazer o flagrante”, disse a delegada. Tanto no depoimento quanto à imprensa, o suspeito negou o crime alegando que naquele quarto um irmão e a cunhada haviam dormido recentemente. Ele reconheceu a faca, mas não admitiu ter ido à casa da vítima ou ter premeditado o crime.

Fotos: Jota Eurípedes

Comunicação Setorial
Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária
(62) 3201-1004, 3201-1055, 3201-5463, 3201-5487

 

Compartilhar: