Goiás será o primeiro em transparência na segurança pública, afirma José Eliton

A partir do dia 1º de julho, as estatísticas da criminalidade recebidas e validadas pelo Observatório de Segurança Pública e auditados pela Comissão de Instituição do Registro de Atendimento Integrado (CI-RAI) serão disponibilizadas no site da Secretaria de Segurança Pública com 100% de confiabilidade. A informação foi transmitida no último dia 14 pelo vice-governador e secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), José Eliton, durante sequência de entrevistas a emissoras de TV e rádio. Os números serão disponibilizados para pesquisadores, imprensa e todos os cidadãos.

“Goiás, que já é o 2º colocado no ranking nacional da transparência pública, conforme divulgou o Ministério Público Federal, também será na segurança pública o estado com o maior volume de transparência”, disse ele numa verdadeira maratona de contatos com jornalistas.

O titular da SSPAP detalhou o aperfeiçoamento do método de registro, análise e divulgação de informações sobre todas as modalidades de crimes, a partir da implementação do Registro de Atendimento Integrado (RAI), que é o programa base da Plataforma de Sistemas Integrados (PSI), lançada em 1º de abril. “As ferramentas que estão sendo estabelecidas na segurança pública em Goiás são as mais modernas do Brasil para a apresentação de estatísticas, superiores inclusive às adotadas pelo estado de São Paulo”, disse.

José Eliton explica que nessa nova gestão, a partir da implementação do RAI, as forças policiais no momento em que registram a ocorrência os dados entram no sistema automaticamente e são validados pelas forças policiais civis e militares e pelo Observatório que centraliza e coordena o trabalho de análise e consolidação das informações e auditado, posteriormente, pela Comissão da RAI que faz toda a checagem para evitar duplicidade ou registro incorreto. Só depois desse trabalho é que os dados serão disponibilizados à sociedade.

Segundo ressaltou José Eliton, instituições que fazem avaliação da segurança pública ou quaisquer cidadãos vão poder pesquisar os dados, sem a necessidade de fazer a solicitação formal. “Qualquer pessoa poderá acessar o tipo de indicador que quiser, por período de interesse, seja por semana, mês, ano, e vai encontrar os números absolutos e relativos das ocorrências com total transparência, apenas preservando os dados de natureza sigilosa que a lei assim determina”, disse ele. “O que vamos dar é maior confiabilidade ao apresentar números sem qualquer duplicidade ou registro incorreto”, acentuou.

José Eliton esclarece que tão importante quanto para a sociedade que vai poder acompanhar a evolução das estatísticas de crimes no estado de Goiás, os dados produzidos com 100% de segurança também vão orientar o trabalho interno da Secretaria de Segurança Pública. “Trabalhamos com metas e resultados; e não há como mensurar metas e resultados se não houver uma estatística confiável e atualizada”, observa. “Como ferramenta de gestão e definição de ação policial a estatística é extremamente importante”, acentua.

Conforme lembra o vice-governador e secretário José Eliton, com os dados estatísticos é possível verificar se esta ou aquela ação policial está correta. “Se num município ocorre uma situação fora do normal imediatamente somos avisados pelo Observatório e nos colocamos em alerta para identificar o que gerou aquela alteração, portanto, do ponto de vista da gestão, os números estatísticos são fundamentais”, salientou.

José Eliton também observou que os números permitem análises mais amplas com uso de filtros que podem indicar, por exemplo, os crimes contra mulheres, onde ocorrem, com que frequência e em que circunstâncias. “A partir desses diagnósticos, é possível estabelecer políticas de segurança específicas para cada situação e modalidade de crimes, definindo a melhor estratégia”, disse.

RAI

O mesmo Registro de Atendimento Integrado (RAI) que permite a centralização dos dados em uma plataforma única de registros também facilita a vida dos usuários. Com o novo método, o cidadão não precisa mais se deslocar a uma delegacia de Polícia Civil para registrar uma ocorrência. Ele pode ir sim à delegacia, mas, também, pode fazer o registro virtual através do aplicativo i9X para dispositivo móvel se estiver na região metropolitana ou simplesmente procurar qualquer policial nas ruas, numa viatura, num quartel ou num batalhão. “Hoje, todos os policiais, civis e militares, estão preparados para fazer o Registro de Atendimento Integrado, inserindo as informações diretamente no sistema unificado de registros da Plataforma de Sistemas Integrados (PSI)”, explicou o vice-governador e secretário José Eliton.

Esse registro, conforme salientou, permite que as forças policiais e o Observatório de Segurança Pública tenham acesso em tempo real às ocorrências, favorecendo a intervenções imediatas. Antes, quando o registro era feito apenas na delegacia de Polícia Civil, os policiais militares que faziam a condução dos suspeitos, vítimas e testemunhas, em caso de flagrante, por exemplo, perdiam muito tempo parados nas delegacias. “Com o RAI, os próprios policiais militares fazem o registro e apenas conduzem os envolvidos à delegacia, voltando imediatamente para suas atividades nas ruas”, explicou.

O RAI, segundo José Eliton, facilita para o usuário que passa a ser atendido com maior agilidade e precisão e para a Segurança Pública que tem um ganho gigantesco ao ter todo o aparato de segurança atuando com maior eficácia. “Todas essas ferramentas tecnológicas e de inteligência vão permitir uma atuação mais eficiente e com credibilidade e confiança”, completou.

FOTOS: JOTA EURÍPEDES

Comunicação Setorial
Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP)
(62) 3201-1004, 3201-1055

Compartilhar: